Total de visualizações de página

quinta-feira, 7 de junho de 2012

TRAIÇAO NA LUA DE MEL

Traiçăo na lua de mel Tínhamos acabado de voltar de nossa lua-de-mel, nosso apartamento ainda năo estava pronto e como eu năo queria ficar na casa de nenhum parente, nos hospedamos em um Flat. Na época eu estava com 20 aninhos, tinha clareado meu cabelo, portanto estava uma deliciosa loirinha de 1,67m, 50kg, seios pequenos, bumbum grande e arrebitadinho com uma linda marquinha de biquíni, pois tínhamos passado a nossa lua-de-mel no nordeste. Estava super bronzeada e como sempre usei apenas biquínis tipo fio dental, deliciosas e minúsculas marquinhas de biquíni deixavam meu corpinho ainda mais sensual. Me sentia feliz por estar casada com o homem da minha vida, me sentia linda, mas ficava pensando em minhas fantasias sexuais e se ainda teria tempo para vivę-las. Sempre fui tratada como uma “princesinha” por todos os meus namorados, sempre fizeram sexo com carinho comigo, năo tinha tido muitos homens na minha vida e acreditava que nunca tinha tido um orgasmo de verdade, uma vez que eu nunca me satisfazia. Me masturbava com freqüęncia, sempre imaginando homens grandes, fortes e exageradamente bem dotados. Meu marido foi o primeiro a me incentivar a usar roupas mais ousadas, que valorizassem o meu corpinho, principalmente o bumbum, que aliás, eu ainda relutava em dar pra ele já que nunca tinha feito sexo anal com ninguém. Eu até tentava mas doía muito e meu marido, carinhoso como sempre, me respeitava e interrompia a penetraçăo. O Flat era aconchegante, tinha uma boa área de lazer com aparelhos para ginástica, um solarium com piscina, saunas seca e a vapor, o bastante para eu me sentir confortável, já que passaria os dias sozinha ali. Eu fui almoçar com meu marido, era uma terça-feira chuvosa e, a pedido dele, eu estava usando uma microssaia agarrada ao meu corpo que de tăo micro teimava em subir a cada passo meu. O almoço foi delicioso e estávamos dispostos a voltar para o Flat para transarmos o resto da tarde mas ele tinha ainda muito serviço atrasado (pelos 15 dias de lua-de-mel) e tinha que voltar para a firma. Desapontada voltei sozinha. Chegando a recepçăo, perguntei ao recepcionista se a sauna estava funcionando. Ele me respondeu que estava desligada mas que, se eu quisesse, ele poderia providenciar para que preparassem para mim. Respondi que gostaria muito pois năo tinha nada melhor para fazer naquela tarde. Enquanto aguardava, reparei que um homem, impressionantemente alto e forte, năo tirava os olhos de mim. Ele estava se registrando e deveria estar preenchendo a ficha mas, seus olhos corriam pelo meu corpo. Me senti confusa, năo queria mas estava gostando. Resolvi provocar um pouquinho e me debrucei sobre o balcăo, fazendo com que minha saia subisse um pouquinho e revelasse parte do meu bumbum, chamando o recepcionista e dizendo a ele para me avisar quando estivesse pronta a sauna. Fui em direçăo ao elevador, rebolando sensualmente e sentindo os olhos daquele homem me comendo. Meia hora mais tarde toca o telefone, a sauna estava pronta. Subi até o último andar, entrei no vestiário, tirei minha roupa, me enrolei na toalha e entrei. Lá dentro, sozinha, comecei a pensar em sexo, estava com tesăo. Lembrava do que tinha acontecido na recepçăo. Aquele homenzarrăo! Aquele olhar! Fiquei nua, estava sozinha, comecei a pensar nele, comecei a me masturbar. Um barulho na porta me despertou dos meus devaneios e quando eu percebo uma pessoa entra na sauna. O local era escuro e com os vapores ficava difícil de ver quem tinha entrado mas, năo demorou muito e a minha frente estava ele, o cara que tinha me secado a instantes atrás. Me cobri com a toalha desajeitadamente, pedindo desculpas por estar tăo a vontade. Ele apenas sorriu e disse, com a maior cara de pau do mundo, para eu năo me desculpar e sim continuar a vontade pois ele iria ficar também. Dizendo isso ele tirou a sua toalha e caminhou em minha direçăo. Meus olhos estavam fixos no membro dele que mesmo mole, já era bem maior que o do meu marido. Ele sentou-se ao meu lado, como se fosse a coisa mais natural do mundo e começou a conversar comigo. No início eu estava tímida mas fui me soltando, soltando, comecei a contar sobre minha vida, meu casamento, lua-de-mel, até que resolvi tomar uma ducha. Me levantei e fui até os chuveiros, abri e deixei a água gelada cair sobre o meu corpo. Fechei os olhos e comecei a pensar na loucura que estava fazendo. Eu, recém casada, fazendo uma sauna com um estranho, completamente nua. Ao abrir os olhos vejo ele no chuveiro ao lado. Que corpo ele tinha, pelos no peito e nas pernas, músculos, măos grandes e aquela coisa enorme, completamente dura apontando para mim. Nem em meus sonhos mais depravados havia imaginado existir um pau como aquele, grande como um cavalo e grosso como uma lata de cerveja, cheio de veias salientes e ameaçadoramente duro. Ele, percebendo que eu năo tirava os olhos do seu pau disse: - Gostou? Saí correndo, peguei minha roupa, quis ir embora, estava com vergonha e confusa, pensava em meu marido no trabalho, eu estava com tesăo, o pau daquele cara era enorme, minha bucetinha estava ensopada, tinha acabado de casar, meu corpo ardia de desejo. Quanto eu mais pensava em meu marido, mais excitada ficava. A idéia de traí-lo me deixava maluca, fazer dele um corno, meu corpo vibrava e ardia de desejo. Voltei. Assim que entrei ele se levantou, me agarrando pelos braços e me beijando. Sentia sua língua invadindo minha boca, uma măo em meus seios, outra em minha bundinha, seu cacetăo se esfregando em meu corpo. Já năo tinha mais como mudar de idéia e me entreguei totalmente. Ele me colocou de joelhos sobre o banco, mandou que eu curvasse, me apoiando nos cotovelos no banco de cima e começou a me lamber. Sua língua penetrava minha bucetinha tăo fundo, que mais parecia um pinto. Ele dava lambidas que iam do meu clitóris até o meu cuzinho. Eu rebolava, gemia, tremia de tesăo. Gozei um gozo pleno e inédito, com a língua daquele homem delicioso. Ainda na mesma posiçăo senti seu pau encostando em minha bucetinha. Tremi de medo e gritei quando ele forçou a entrada mas o meu tesăo falou mais alto suportei a investida. Senti minha bucetinha sendo dilacerada. Ele começou a forçar a entrada, senti minha buceta sendo invadida, ele foi enfiando, enfiando, enfiando. Comecei a gozar novamente assim que senti suas bolas encostadas na minha bucetinha. Tinha entrado tudo. Ele começou a estocar com força e eu gritava de prazer, me sentia totalmente preenchida, me sentia uma fęmea completa pois estava aguentando aquela picona e estava adorando. Tinha um orgasmo atrás do outro, eu tremia de prazer, dizia coisas inteligíveis, gemia como uma cadelinha. E ele continuava a meter em minha buceta, mais rápido, mais forte, rápido, forte. Pela primeira vez na vida eu senti golfadas de esperma dentro de mim. A pica dele pulsava enquanto jorrava esperma dentro da minha bucetinha. Ele me segurava pela cintura, completamente enterrado em mim. Gozei mais uma vez, junto com ele, quase desfalecendo. Saímos da sauna e fomos para o meu apartamento e direto pra cama. Ele ficou deitado e eu, finalmente pude chupá-lo, ou melhor, tentar porque era tăo grande e grosso que só cabia a cabeça dentro da minha boquinha. mesmo assim eu me esforçava para dar o máximo de prazer a aquele homem. Enquanto eu chupava ele mandou que eu ficasse de quatro com a bunda virada pra ele. Suas măos acariciavam o meu bumbum, seu dedo roçava em meu cuzinho, ele se levantou, segurou me pelos cabelos, me manteve de quatro, pôs a pica na minha boca e deu um tapa no meu bumbum. Gritei assustada mas, ele deu mais um, depois outro, outro, cada vez mais forte até estar praticamente espancando minha bundinha. Meus gritos eram abafados pela sua picona mas, mesmo assim, qualquer um que passasse no corredor ouviria, senăo meus gemidos, os tapas que estalavam em meu bumbum. Enquanto me batia, ele me chamava de putinha gostosa, vaquinha, vagabunda, mas quando ele disse: - Tá gostando de apanhar, vaquinha? O corno do seu marido năo faz assim com vocę? Ele sabe que vocę chifra ele? Ele sabe que vocę gosta de pau grande? Comecei a gritar dizendo que năo, que ele era um corno manso, que eu estava adorando meter com outro homem, que ele tinha o pau pequeno, que ele era viado. Eu xingava meu maridinho enquanto gozava alucinadamente, levando tapas na bundinha e chupando aquele pauzăo. Eu ainda estava ofegante quando ele mandou que eu deitasse de bruços, sobre dois travesseiros e empinasse a bundinha. Ele abriu minhas pernas e enfiou, de uma vez, na minha bucetinha, me fazendo gritar outra vez pela violęncia das estocadas e pelos tapas que ele continuava a dar. De repente ele parou, sentou sobre minhas coxas sacando sua pica da minha bucetinha e colocando na entrada do meu cuzinho. Quando senti o calor daquele mastro gigantesco na portinha do meu cuzinho, implorei para que năo fizesse aquilo, dizia que eu năo queria, que năo gostava mas, quando disse que nunca tinha feito sexo anal. Ele gritava: - Cala a boca, putinha, teu cuzinho é virgem? O corno do seu marido năo comeu sua bunda ainda? Bem feito pra ele, agora eu vou descabaçar o teu cu, vou arrombar esse seu cuzinho gostoso por bem ou por mal, vocę é quem decide. Tentei escapar, comecei a chorar e continuava pedindo que năo fizesse aquilo. Com as măos tentei tirar o pau da entrada do meu cuzinho mas, ele era muito forte, segurou meus braços e forçou. A Dor que senti é indescritível. Aquele homem estava violentando minha bundinha, enterrando sua pica sem dó nem piedade, devagar, cm por cm, rasgando meu cuzinho, bem devagar, parecia que iria durar uma eternidade, eu chorava enquanto sentia o mastro dele entrando, entrando, entrando, até que suas bolas encostaram na minha bucetinha, tinha entrado tudo, todos os 23cm x 8, 5cm de pica dura como ferro estavam enterrados no meu cuzinho. Comecei a gozar, gozar, gozar, enquanto ele começava a bombar dentro de mim, forte, me empurrando para cima até minha cabeça bater na cabeceira da cama. Agarrou meus cabelos e me pôs de quatro. Ele me puxava pelos cabelos enquanto socava no meu cuzinho, cada vez mais forte. A Cama balançava, meus gritos ecoavam pelo quarto e, com certeza, pelo corredor e outros quartos do Flat. Agora eu estava na beira da cama, ainda de quatro, com ele em pé. Nessa posiçăo ele tirava tudo do meu cuzinho e tornava a enterrar novamente. A violęncia das estocadas era tanta que eu era jogada para frente e caía de bruços. Ele mandava eu voltar e fazia novamente, mais forte. Seu pau já entrava e saía facilmente, eu năo sentia mais o meu cuzinho, meu corpo estava adormecido, já năo sabia mais se era dor ou prazer o que estava sentindo. Ele me deitou na cama, com a barriga pra cima, abriu minhas pernas e nessa posiçăo eu vi aquela pica enorme ser enterrada novamente em meu cuzinho, me fazendo gozar mais e mais. Quando ele gozou, senti novamente os jatos quentes de esperma inundando minhas entranhas. Năo aguentei e desmaiei de prazer. Acordei horas depois, já era noite e estava sozinha. Caminhei até o banheiro e no banho, conferi o estrago que ele tinha me feito. Minha bucetinha estava esfolada, meu cuzinho totalmente arrombado, minha bundinha ardia, estava tonta, tentava descobrir como tinha tido coragem de fazer o que fiz. Lembrei que meu marido năo demoraria a chegar, Deveria contar? Ele iria entender? Resolvi năo dizer nada, quando ele chegou fingi estar cansada demais, de fato eu estava mesmo, para transar e fui dormir. Passei duas semanas hospedada naquele Flat e transei com meu amante todos esses dias, fui a sua putinha de verdade, sem contar pro meu maridinho, que até este relato, desconhecia esta história. Mas como ele, com o tempo, aprendeu a ser um corno bem mansinho, que adora ver a sua esposinha gemendo gostoso, com uma vara bem grossa enterrada no cuzinho, tenho certeza de que vai gostar. Escrita por: Dino Teixeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário